Semana da Loucura 2016.

Hi, sei que estou muito atrasada em fazer esse post aqui no blog, mas estava vasculhando os rascunhos e achei as imagens da Semana da Loucura que ocorreu em 16 de maio. Acabei lembrando de tudo que aconteceu e senti uma necessidade de fazer esse post.

Todo ano lá na faculdade ocorre a Semana da Loucura (já falei sobre isso aqui), são diversos eventos que a faculdade promove durante uma semana para que os estudantes fiquem mais consciente sobre a Luta Antimanicomial. Neste ano com a correria das aulas só participei de um evento, o cortejo, onde caminhamos por todos os corredores da faculdade cantando e tentando passar aos outros um conhecimento maior sobre essa causa.

Uma coisa que acho interessante é que lá na faculdade sempre buscam fazer algo mais dinâmico para tentar chamar atenção do pessoal. Mas percebi que durante essa semana eles sempre colocam um cartaz enorme anunciando o seguinte “Semana da Loucura – Psicologia”, alguns estudantes de outros cursos, seja por falta de conhecimento ou por qualquer outro motivo, levam isso na brincadeira, falam que os estudantes de Psicologia são loucos e fazem piadinhas desagradáveis. Acho isso totalmente desnecessário.

Sei que todos tem uma opinião sobre a Semana da Loucura e alguns dos próprios estudantes do curso não gostam de participar, não tenho nenhum problema com isso, mas acho desnecessário ficar menosprezando quem participa ou até mesmo achar que não aprendemos nada com esses eventos.

No cortejo aconteceu exatamente isso, estudantes de Psicologia e de outros cursos fazendo comentários que me fazem repensar sobre o curso que escolhi, professores fechando a porta da sala na nossa cara e tinham aqueles que não abriam a porta e outra coisa que me irritou foi que alguns dos estudantes que estavam participando não levavam a causa a sério, para alguns tudo aquilo não passava de uma brincadeira e faziam mais barulhos do que cantavam. Minha amiga (Cíntia) e eu ficamos tipo assim WHATS?, já que eram as letras das músicas que estavam passando a mensagem para a galera que estava interessada em escutar.

Fora todas essas coisinhas que não gostei, posso afirmar que aprendi muito nesse dia e acabei me divertindo muito com galera que estava ali com o mesmo proposito que o meu. Evoé! 

Processed with VSCO with x1 preset

Cartaz que a galera que estava participando criou. 

Semana da Loucura

To ali no meio com as orelhas de gatinho. Haha.

Espero que tenham gostado do post. Beijos. 

Sobre desabafo, o fim de semana e a visita de uma amiga da faculdade.

Ultimamente ando passando por um bloqueio criativo, acho que todos que escrevem tem um momento que passam por isso ou algo parecido. Na minha mente consigo criar um monte de histórias e pensar em coisas novas aqui para o blog, mas na hora de colocar as palavras pra fora não consigo. Passo horas e mais horas com a página do Word aberta e simplesmente não consigo expor o que estou sentindo. Acho que devido a correria que está na faculdade, as provas que estão se aproximando, e ao mesmo tempo o trabalho do fim de semana. Já deveria está acostumada, mas muita das vezes não consigo conciliar tudo. Não é a primeira vez que isso acontece e muito menos vai ser a última. Mas espero que essa fase passe logo e que volte a conseguir escrever meus textos que tanto amo.

Depois desse desabafo, queria contar que finalmente a minha amiga, Cíntia, veio me visitar e passar esse fim de semana aqui em casa (AEEEEEE!!!). Desde quando nos conhecemos convido ela pra vim aqui na minha cidade fazer uma visita e depois de mais ou menos 9 meses ela arrumou tempo pra vim. A Cíntia foi a primeira pessoa que conheci na faculdade e logo de cara a gente se deu muito bem. Apesar dela preferir o Safadão e eu a Desejo de Menina (HAHA!!).

Voltamos na sexta-feira a noite no ônibus e mesmo cansadas só pegamos no sono depois de uma da manhã pra colocar os papos em dia. Fofoca rolou a solta, ainda mais agora que a nossa sala vive em guerra. Na manhã de sábado tive que acordar as 07:00hrs pra me arrumar pro trabalho e acabei levando a Cíntia comigo já que praticamente todo mundo aqui de casa ia passar o dia fora. Passamos o dia no colégio esperando algum individuo vim pedir informações e já que não apareceu ninguém começamos a fazer os cartazes para a semana da loucura que vamos apresentar amanhã (19/05). Durante a noite chamei os meninos aqui pra casa e ficamos conversando, jogando UNO e pra terminar comemos pizza <3. Depois levamos ela pra conhecer o viva (que um ponto turístico da cidade), a Igreja e a praça. Pra terminar a noite Alex acabou contando algumas histórias legais aqui da cidade.

No domingo, terminamos de fazer a segunda parte dos cartazes e a família inteira resolveu ir para a Barreiras (que é outro ponto turístico da cidade) depois do almoço, acabamos nos divertindo muito e tiramos muitas fotos. A última vez que tinha pisado lá era no Carnaval, ou seja, fazia um tempo que não ia por lá e ainda mais com a família toda que é tão difícil de reunir. Não banhamos, mas aproveitamos ao máximo o clima, ainda bem que o céu estava nublado e que estavam vendendo sorvete, que ajudou muito a gente a espantar o calor. Chegamos em casa praticamente umas 17:00hrs e descemos para o viva já que a Cíntia queria tirar algumas fotos lá antes de anoitecer.

Durante a noite fiz um bolo de chocolate e ficamos esperando o Alex aqui em casa, depois formos novamente pro viva (matei a saudade de sair a noite pra lá) e ficamos conversando por um tempo, até que tivemos que voltar pra casa pra terminar os benditos cartazes, mas marcamos de ir ver os meninos pescarem lá no atracadouro (Barreiras) logo depois de fazer o trabalho. Depois de uma hora e com trabalho praticamente terminado formos pra lá de moto (até a Cíntia sabe andar de moto e eu não sei) que por sinal foi uma aventura e tanto. Chegando lá nos deparamos apenas com o guarda, não tinha mais ninguém :(. Acabamos entrando em contato com o Alex, que por sinal já estava em casa e reclamou por a gente ter demorado tanto. No fim das contas acabamos indo pra casa dele e passamos o restante da noite lá, jogando conversa fora. Quando voltamos pra casa já era praticamente 00:00hrs, e mesmo ela tendo que ir embora as 05:30hrs ficamos acordada até 01:30 falando da vida alheia (HAHA!!).

Acabou que esse foi o meu fim de semana, acabei aproveitando muito porque a partir de agora é só estudo, mais estudo, e mais estudo pras provas que já estão se aproximando. Aliás, fim de período sempre é muito corrido. Cíntia, sei que você vai ler esse post então é bom ir logo pedindo a tia pra vim pra cá nas próximas festividades e tomamos a tão prometida caipirinha ;). Até mais.

P.s.: Vou fazer outro post só com fotos desse fim de semana legal.

Um lado meu que poucos conhecem…

Hi, passei aqui para falar sobre algo que eu gosto de fazer e que poucos sabem, que é desenhar croquis. Só estou contando isso porque ontem durante um intervalo que teve na aula eu precisava relaxar de alguma forma, aí acabei começando a desenhar um vestido, e uma amiga minha veio elogiar o desenho e disse que não conhecia esse meu lado. Diante disso percebi que dar pra contar nos dedos as pessoas que sabem que desenho e me veio a ideia de compartilhar aqui no blog.

Desde pequena gosto de desenhar, confesso que no começo não era tão boa, mas fui treinando e me aperfeiçoando (não sou uma das melhores, estou longe disso, mas até que gosto dos meus desenhos). Ontem parei para pensar que muita coisa mudou neles com o tempo, a forma como faço a roupa, o corpo que imagino usando e tento passar isso pro papel, os acessórios que fazem muita diferença, a própria cor que escolho pra roupa em si.

Você deveria ser estilista, foi o que uma garota que também estuda comigo falou ao ver meu desenho. Essa afirmação me fez voltar no tempo, naquela época que tinha uns 8 a 9 anos e que meu sonho era ser estilista. Ao invés de ir brincar como uma criança normal, passava meu tempo desenhando croquis e mais croquis diferentes, mas com o passar do tempo e com a minha entrada na pré-adolescência, com o meu número de amigos crescendo, com a época em que conheci a internet, acabei me largando desse mundo de desenhos e indo conhecer coisas novas.

O tempo foi passando e a Luana desenhista acabou sendo esquecida e com a minha entrada na adolescência, com o primeiro amor, com a procura de autoconhecimento, tudo isso acabou ocasionando a surgir meu amor pela escrita. Escrever histórias foi uma forma de fuga que encontrei. Depois disso, conheci o mundo literário e achei meu segundo amor. LIVROS! Daí foi nascendo meus sonhos e mais sonhos, e a essa altura do campeonato (como diz meu pai) ser estilista não era mais um dos meus sonhos.

Não desenho frequentemente e desenhar passou a ser um passatempo para mim. Gosto de desenhar para relaxar, assim como gosto de escrever para jogar meus sentimentos e emoções nas palavras, textos, histórias que faço. Vou postar aqui uma foto de um dos meus croquis mais recente.

Snapchat--1920986207208567377

Agora quero saber de você, tem algum passatempo? Conte aqui para mim. Beijocas ❤

Sobre a época mais linda do ano…

large (1)Nem acredito que já estamos em véspera de natal, e como esse ano acabou passando tão rápido… Ainda mais que já estamos praticamente no final de dezembro. Ah, dezembro! Sempre fui fascinada por esse mês, parece que as pessoas ficam mais leves diante dele. Fora que tem a época mais linda do ano, o natal, que é uma das datas que espero ansiosamente o ano inteiro. ❤

Eu amo o natal, quem me conhece sabe que essa é a época que mais me emociona e mais me faz recordar uma parte da minha infância, a que passei ao lado dos meus avos que mesmo não estando mais por aqui, estão presente em meu coração.

Sabe, poderia fazer uma lista enorme das coisas que gosto nessa época, tem as decorações, a comida, as músicas que são tão alegres, o panetone que é o amor da minha vida, o clima que parece que muda, pelo jeito que as pessoas ficam, mais carinhosas e generosas umas com as outras. E acho isso encantador, apesar de muitos dizerem que é pura falsidade esse clima, mas prefiro acreditar que é o espirito de natal se manifestando, trazendo renovação, paz e amor.

Bom, só passei aqui mesmo pra dividir os sentimentos que essa data me trás e desejar um maravilhoso natal para todos. Antes que eu me esqueça, quero compartilhar que já estou de férias e que estou montando uma programação aqui para o blog, ou seja, prevejo que muitos textos estão por vir. Merry Christmas! 

No fim sempre há um recomeço.

Não sei o que me deu na cabeça em terminar contigo, em terminar com a pessoa que mais me fez bem nesses últimos dias. Acho que por medo tentei fugir, antes que eu fosse magoada nessa história ou apenas por pressão de não saber aonde isso ia me levar. Isso pode até parecer uma coisa boba, mas no fundo eu sei que não é. Talvez isso foi apenas a armar que encontrei para preservar algo que eu não quero que morra, algo como a nossa “plantinha”, não quero que algo ruim aconteça a ela e como sei que muitas vezes dou uma de jardineira assassina, prefiro me afastar. Não quero cortá-la assim como fiz com as outras. Apenas quero vê-la crescer, mesmo que distante para não machucá-la, para não machucar você ou propriamente me machucar.

No fim das contas acho que sou a única que está saindo com sequelas dessa curta história e se estou assim é por minha culpa. Talvez eu tenha apenas tomado uma decisão sendo mais previsível do que eu realmente sou e seguindo o que todos já achavam que ia acontecer. O que é meio clichê vindo da pessoa que vive dizendo que não gosta de coisas “clichês”, mas que sua vida se resume em uma verdadeira história em que todos já sabem o destino da protagonista principal.

Sinceramente, não vim falar sobre isso. Só que não consigo pôr um fim nesse texto, mesmo sabendo que preciso terminar, ou melhor necessito terminar esse texto, aliás não quero que ele se torne mais um dos meus fracassos inacabáveis. Talvez eu só esteja com medo, mas não vou deixá-lo comandar meus atos. Voltando ao foco, não devia ter terminado contigo, porque no fundo isso era o que eu menos queria (claro, você pode pensar diferente).

Você como meu melhor amigo é extraordinário, mas não quero nesse momento só meu amigo, quero de volta meu namorado de mentirinha e meu ficante que ainda não sabe se é gay. Isso é muito dramático até mesmo para mim que gosto tanto de drama. Talvez esse tenha sido o pior texto que já escrevi pelo simples fato da minha total sinceridade, só que gosto disso, gosto de me surpreender comigo mesma e gosto mais ainda de escrever sobre este sentimento que sinto por você. Fique tranquilo, não é amor, nem chega a ser paixão, mas claro que está acima de um gostar, isto é apenas um “eu preciso de você”, porque no fundo é disto que todo mundo precisa e é isto que estou precisando agora: De um amor que não é amor!

Enfim, te esqueci!

Hoje pela primeira vez em 3 anos não te reconheci, e quando minha amiga me disse que era você a felicidade brilhou em meus olhos, mas não por você está ali, e sim porque percebi que meu coração estava normal, nem sequer acelerou, aquelas borboletas no estômago e aquele nervosismo incontrolável haviam sumido. Não senti nada. Você era como um estranho para mim.

Há muito tempo não havia sentido isso, essa sensação de liberdade. Passei tanto tempo presa no passado tentando te reconquistar, achando que o destino nos colocaria juntos de novo, que acabei esquecendo de viver o presente, o meu presente.

Só que agora aquela corda que me prendia a você partiu, ou, o destino decidiu que já estava na hora de cortá-la, enfim, ela não existe mais. Depois de passar um bom tempo dizendo para mim mesma e para todos que estavam ao meu redor que eu havia te esquecido, mesmo isso sendo uma mentira, hoje posso gritar para o mundo “CONSEGUI, EU CONSEGUI, EU TE ESQUECI”.