Livro: Cartas de Amor aos Mortos

10809715_668053556640870_438786702_n
As coisas começam a acontecer no momento em que Laurel recebe uma tarefa da escola, escrever uma carta para alguém que já morreu. Ela poderia ter escrito para algum presidente ou para algum grande cientista (acho que era isso que sua professora esperava), mas sua primeira carta vai para um de seus ídolos, Kurt Cobain.

Os dias passam e aquilo que antes era uma tarefa passa a ser o estilo que Laurel encontra para expressar seus sentimentos. Ainda mais diante do momento em que ela está passando com a escola nova, as novas amizades que está tentando construir, o primeiro amor, e o fim da sua família já que após a morte da sua irmã tudo mudou.

A parte mais difícil da vida de Laurel é lidar com a morte da May, sendo que as duas sempre foram muito próximas e ela não consegue transcender o luto.  O livro se passa através das cartas que ela escreve, é assim que vamos conhecendo a sua rotina, seus ídolos e os outros personagens.

Gostei de ler esse livro por causa dos assuntos que são abordados, desde a dor de perder uma pessoa e de como é tão importante o luto para o nosso amadurecimento, como também o abuso sexual e de como isso pode deixar marcas na vida de uma pessoa, ou até mesmo como é complicado ser adolescente e está começando uma nova fase.

Não conheço nenhum outro livro de Ava Dellaira, mas acredito que se todos eles seguir com a escrita tão bem elabora de Cartas de Amor aos Mortos e com uma história tão intrigante serão tão bons quanto este. Aliás o livro carrega um pouco de mistério ao buscamos saber o que de fato aconteceu com May, criamos a nossa versão da história e no fim das contas acabamos nos deparando com algo surpreendente. Vale a pena se arriscar nessa leitura.

Cartas de Amor aos Mortos é uma publicação da Editora Seguinte e tem 337 páginas.

Anúncios

Livro: Um Amor de Cinema

IMG_20141022_141352Demorei uma eternidade para terminar de fazer essa resenha. Não que eu não tenha gostado do livro, porém estava sem tempo pessoal – já deu pra perceber que essa é a minha desculpa pra tudo. Tipo, é verdade! Estou em plena semana de provas e acho que já me ferrei em duas matérias :(. Só arrumei tempo pra terminar essa resenha por que mais tarde só tenho uma prova que acho que sei o assunto. Vou parar de contar meu drama na faculdade e ir logo ao que interessa.

Esse é aquele tipo de livro que você se apaixona por ele mesmo antes de abrir. Tá Luana, como isso é possível? A capa é perfeita e logo de cara nos mostra a magia que esse livro trás e a cada página só tive mais certeza disso.

Um amor de cinema conta a história de Kenzi, uma jovem apaixonada por filmes de comédias românticas, sonhadora, que trabalha como designer e devido a relação que tem com a sua família, acabar fazendo de tudo pra agrada-los, até mesmo ficar noiva do Bradley, um cara loiro, de olhos claros (acho que ele tem olhos claros), simpático, bem sucedido, decidido, o tipo de cara perfeito e que sua família amar. Por ter 30 anos e querer logo montar sua própria família, acabar que escondendo as suas dúvidas e dizendo a si mesma que ele é o cara com quem ela quer passar o resto de sua vida.

As coisas passam a mudar a partir do momento em que Kenzi recebe um pedido de amizade no Facebook, do seu ex-namorado – que eu me apaixonei perdidamente – Shane Bennett. Que por sinal ainda faz seu coração acelerar e suas mãos gelarem. Mas a coisa toda fica ainda mais intensa quando ela descobre que seu emprego tá correndo risco, que sua cunhada está grávida, ou seja, seu casamento ficou como segundo plano da família, e o mais louco é que ela precisa ganhar a conta do Carriage House, que é um restaurando com cinema e que o dono é Shane Bennett, o seu ex-namorado que a traiu e foi embora para a Inglaterra, sem se explicar. Sua vida não podia está melhor, hein?

Ainda tem mais coisa, Shane está disposto a reconquista-la e acabar bolando um plano maluco. Diz que só vai assinar a conta se ela topar encenar com ele cenas de dez filmes. Todos aqueles filmes que eles assistiam juntos, e que ela decorou as falas. Tipo, a cena das compras para o chá de cozinha de Vestida para casar, ou a cena da dança de Dirty Dancing. Tem como não se apaixonar?

Uma coisa que gostei muito é que mesmo com as dúvidas e escolhas chegando vamos no decorrer do livro, acompanhando o amadurecimento de Kenzi, e ao mesmo tempo a conhecendo de verdade. Confesso que não foi difícil me apaixonar pelo Shane! É o tipo de cara engraçado, extrovertido, simpático, romântico, queria o Shane pra mim. Fora que ele e a Kenzi juntos é bem “MEU DEUS QUE QUÍMICA”. Ri por de mais com esses dois, ainda mais durante as cenas. Porém chorei, chorei de tão fofo que era determinados momentos do livro. Tá, sou boba romântica mesmo e se não gosta tá no lugar errado.

Bom, esse livro me proporcionou uma leitura maravilhosa, tanto é que o terminei em menos de uma semana. Amei a formar que a Victoria Van Tiem escreve, é tão simples que nos faz ficar querendo mais. Parece que esse é o primeiro livro que ela escreve e sinceramente já estou ansiosa esperando por outros. Se você gosta de uma leitura rápida, uma história que envolve muito romantismo, novas escolhas, esse com certeza é um livro para você.

1. Sintonia de amor
2. Uma linda mulher
3. O diário de Bridget Jones
4. Vestida para casar
5. Dirty Dancing: ritmo quente 
6. Gatinhas e gatões 
7. Simplesmente amor 
8. Digam o que quiserem 
9. Mensagem para você
10. O casamento do meu melhor amigo

Essa é a lista dos 10 filmes, já tinha assistido alguns, porém com o livro acabei assistindo eles e os outros que não conhecia. Não que seja necessário, mas recomendo você a assistir os filmes da lista, isso acabar deixando a história ainda melhor <3. Beijos.

Livro: Sorte ou Azar?

sorte-ou-azar (1)Todo mundo já passou por aquele dia que nada dar certo, que as coisas não saem como planejamos. Aí somos submetidos a dizer aquelas velhas palavras: É azar! Mas agora imagine se isso lhe acompanhar desde o dia do seu nascimento. E todo mundo lhe conhecer como azarada.

Isso aconteceu com Jean, ou Jinx (cujo o significado quer dizer má sorte) como a família a apelidou. Ela cresceu sendo considerada uma pessoa azarada e as coisas só pioraram quando se meteu em uma grande confusão na sua cidade. Devido a isso ela acabou indo morar na casa de seus tios em Nova York. Com a esperança de ter deixado todo aquele azar pra trás e de construir uma vida nova.

Apesar de todos os problemas (pelo jeito o azar a acompanhou) ela conseguiu chegar na casa dos seus tios e ficou surpresa ao ver que muita coisa mudou, inclusive sua prima Tory. Que por sinal não ficou nada feliz em reencontra-la.

Jinx acabar conhecendo alguns amigos de Tory, entre eles Zach que se mostrou ser uma boa pessoa desde o inicio diferente do resto da turma. Eles acabam se tornando grandes amigos (quem sabe algo mais?). Mas nem todos ficam felizes com isso, Tory é apaixonada por ele e é capaz de passar por cima de todos para ficar com o mesmo.

Alias Tory sempre acreditou ter herdado os poderes de sua ancestral, Brawen. Mas começa seriamente a desconfiar disso quando ver Jinx salvando Zach de um terrível acidente. Será que Jinx é a bruxa da família? Ou isso é apenas o seu azar se manisfestando?

O livro tem uma escrita simples, é bem elaborado, cheio de surpresas, fora que tem suspense do começo ao fim, coisas sobrenaturais, aventura e ainda romance. Tem como não amar?

Sorte ou Azar? é uma publicação da Editora Galera Record e tem 288 páginas.

Livro: A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista

A-probabilidade-estatística-do-amor-à-primeira-vistaA Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista é o tipo de livro em que você se apaixona antes mesmo de ler. Tudo se passa em exatamente 24 horas. Quem imaginaria que quatro minutos poderiam mudar a vida de alguém? Mas é exatamente o que acontece com Hadley.

Após muita insistência de sua mãe, Hadley, uma adolescência americana de 17 anos, resolve ir para o casamento de seu pai com outra mulher, em Londres. Mas ela acabar se atrasando para o voo por causa de quatro minutos e é obrigada a esperar pelo próximo. Por conta disso ela conhece Oliver, um britânico super fofo, que a ajuda com a mala. Entre poucas palavras um sentimento se manisfesta.

”Talvez seja o sotaque ou a maneira interessada como a olha, mas tem alguma coisa nele que faz com que seu coração acelere, que nem quando leva um susto. Talvez seja isso: a situação toda é muito surpreendente. Ficou tanto tempo preocupada com a viagem que não estava preparada para que alguma coisa acontecesse, alguma coisa inesperada. ”

As coincidências começam a surgir deixando o livro a cada página mais emocionante, alias eles estão no mesmo avião, na mesma fileira, separados apenas por uma poltrona. Mas isso não os impedir de se conhecerem melhor. No decorrer do livro vamos conhecendo um pouco da vida de cada um, os seus dramas familiares, pensamentos… Porém o foco do livro não é exatamente o romance de Hadley e Oliver, e sim a relação dela com o seu pai, já que não aceita o fato dele ter abandonado sua mãe para ir viver com outra mulher.

Um voo de 7 horas pode parecer longo, mas em algum momento ele vai ter chegar ao seu destino. Dizem que as horas passam rápido quando estamos ao lado de uma pessoa especial e com eles não foi diferente. Lá estavam eles naquela fila para desembarcar, tinha chegado a hora de dizer adeus.

“Ele olha para ela, cabeça inclinada, mão em seu braço, e antes que tenha tempo de se sentir nervosa, antes mesmo de entender a situação, ela o ouve murmurar “Que se dane”, e então, para sua surpresa, ele se inclina e lhe dá um beijo.”

Assim cada qual segue seu caminho. Ela vai para o seu casamento, rezando para chegar a tempo. Ele vai para o seu compromisso. Mas será que o destino irá coloca-los frente-a-frente mais uma vez, e dar uma chance para esse amor?

É uma história extraordinária, uma escrita muito bem feita, mesmo não faltando nada, é de deixar qualquer um querendo mais. A Probabilidade Estatística do Amor à Primeira Vista superou minhas expectativas e confesso que a Jennifer E. Smith me surpreendeu com a história de Oliver. Esse livro com certeza vai para a minha lista de favoritos.

Há, não poderia deixar de comentar, esse ano foi divulgado que ele vai virar filme. A autora disse que estar muito contente com o roteiro escrito e com o elenco que foi escolhido – por enquanto mais detalhes ainda não foram revelados.

Livro: Anna e o Beijo Francês

Anna-e-o-Beijo-FrancêsMe desculpem pela sumida súbita aqui no blog, esses últimos meses ando muito ocupada e com pouco tempo para escrever, mas prometo que vou fazer o possível para ficar mais presente. Vamos ao que interessa, a partir de agora irei criar algumas categorias novas, e uma delas vai ser resenhas. E para começar esse ano de novidades vou falar sobre um livro que li mês passado, Anna e o Beijo Francês.

Anna Oliphant é obrigada por seu pai a ir estudar – por um ano – em um colégio interno para jovens norte-americanos, em Paris. Mesmo com medo de deixar sua família, sua melhor amiga e o seu paquera, Tohp, ela não tem uma segunda opção. Mas Paris é a cidade luz, um lugar romântico, onde pedidos podem se realizar e Anna não vai demorar muito para perceber isso.

Após ser deixada por seus pais em seu novo quarto, o sentimento de está sozinha em um lugar desconhecido se manifesta, e tudo que resta a ela é chorar, chorar como uma criança que está longe de tudo que amar. Até que a garota do quarto ao lado, Meredith, aparece e tenta acalma-la. E assim com o tempo elas se tornam amigas e ela apresenta Anna aos seus amigos, Rashimi, Josh e St. Clair. De uma certa formar Anna se sente acolhida por eles – como se dali em diante as coisas começassem a mudar e literalmente mudaram.

Dizem que o amor pode surgir de múltiplas maneiras, mas no caso de Anna e St. Clair só precisou de uma troca de olhares e uma simples conversa para perceber que ambos queriam mais que uma amizade. Mas as coisas não são tão simples, St. Clair tem uma namorada e isso só faz Anna se prende ainda mais ao seu paquera de Atlanta, Tohp.

Será que no fim das contas Anna irá conseguir o tão esperado beijo francês?

Uma história maravilhosa, me encantou do começo ao fim, confesso que após ler Anna e o Beijo Francês fiquei apaixonadíssima por Paris, de uma certa maneira os personagens que Stephanie Perkins criou me apresentaram cada pedacinho de Paris e isso só deixou a minha leitura mais saborosa. Estou super ansiosa para ler mais livros dessa escritora, pena que aqui no Brasil só foram publicados dois, em breve vou ler Lola e o Garoto da Casa ao Lado.

Bom, eu amei o livro e super recomendo essa leitura deliciosa para você que busca algo leve e que mexa com o seu imaginário, lhe fazendo viajar lá para Paris e viver uma história pra lá de muito romântica. Se você está atrás disso não perca tempo, se embarque nessa aventura sem medo de se arrepender.